2007-01-05

Dia fatídico: 23 de janeiro de 2007

No dia 4 de janeiro um funcionário do Consulado Sueco em São Paulo ligou para o meu celular para avisar que minha permissão de residência e trabalho foi aprovada e que eu devia mandar meu passaporte para a Embaixada em Brasília para colocarem o visto. Já mandei o passaporte, devo recebê-lo de volta em uma semana.

As passagens aéreas já foram todas compradas. Vou ir embora do Brasil em 23 de janeiro, uma terça-feira, às 23h20 no vôo BA0234 da British Airways. Parto do aeroporto de Guarulhos em São Paulo e chego no aeroporto de Heathrow (Londres) às 12h25 (hora local), depois de 11h no ar. Espero um pouco no terminal e faço mais uma viagem de 2h no vôo BA0818 que sai às 14h45 para Copenhague (Dinamarca) e chega no destino às 17h10 (hora local).

Para poder pegar o vôo em Guarulhos comprei uma passagem da TAM que sai do Salgado Filho no horário mais cedo que encontrei: 6h30. Com estas histórias de apagão aéreo, atrasos e cancelamentos de vôos resolvi por não arriscar; se acontecer qualquer problema com o meu vôo existem mais 4 vôos da TAM no mesmo dia que permitem que eu chegue na hora do vôo para Londres. Saio então de Porto Alegre no vôo 3150 e chego em Guarulhos às 8h00. Duro vai ser esperar até as 23h20 para pegar o vôo da British. Acho que vou fazer o check-in quando chegar e dar uma banda por São Paulo, parece que tem um shopping perto do aeroporto.

Em Copenhague o Tony (o presidente da Spidexa, a empresa que vou trabalhar) vai estar me esperando e vamos fazer mais uma viagenzinha de trem durando 4 horas até Ronneby. Devo então finalmente chegar na Suécia pela noite do dia 24, convenientemente bem na hora de dormir — o que deve ser a primeira coisa que irei fazer depois de 2 dias de viagem.

Só agora que estou com as passagens compradas e tenho data para ir embora começou a cair a ficha de que estou indo pro exterior; antes parecia algo ainda meio abstrato, distante.

Sei que tá caindo a ficha só agora porque antes não dava frio na barriga...