2007-02-16

Ursäkta, jag tallar inte svenska

Estava caminhando hoje de manhã de casa para o serviço quando uma mulher beirando uns 70 anos, levando o seu cachorrinho para passear, parou e me disse:

— Hej! Alksdjfr lkwreh wqruhasdfkjh qlkrjhwqeiruaökdnnf aweruqwkrjhadsf alhkjfhw.

— Ursäkta, jag tallar inte svenska. (Urséquita, iá tóla inte isvensca. Desculpe, eu não falo sueco.)

Daí ela me olhou firme por uns instantes e disse:

— LKjahfkjh wqlkrejhdasmvn ql3öjeä¨å qkwerjhqwerluj qlökrhweh. KLhaflasökjfqwlkreölksdjf qwerjkhqwer.

— Ursäkta...

— ÖLhfds awekjrhwq lwjkqölsjd fqwöejrhqwöelkjsadopiqw jerlökj dsaöflawqejrjsaöf!

Eu fiz aquela cara de que não entendia nada e ela:

— ÖLKJdlhf! ÖLKjhaölkhfqwh lkjsh sadlhfasdlkjewqöadslkj öqwlehrqäldkdnvxc. KLJhda! LKJhzfh lqwm qjrh qlçre! KLhakjhd!

A única parte que eu entendi foi o final:

— Hej då.

— Hej då. (Rei dô. Tchau.)

Pelo menos ela se despediu.

Tenho certeza de que ela estava me xingando ou chamando minha atenção para alguma coisa. Não faço a mínima idéia do que seja, e provavelmente nunca vou saber. Afinal, eu só estava caminhando na rua!

Cada louco que me aparece...