2007-05-08

Alemanha, como foi

Finalmente vou contar como foi a viagem à Hamburgo na Alemanha pra ver o show do Roger Waters. Demorei porque queria publicar algumas fotos antes. Criei um álbum no flickr para isso, mas infelizmente não coloquei nem metade das fotos que tiramos porque minha conta no flickr é grátis e por isso tem um limite no número de fotos que posso colocar por mês. Desculpe.

Mas vamos lá.

Saímos na quinta, dia 19 de abril, às 7h. Eu, o Andrigo e o Niklas no carro dele. Fomos até Malmö, na fronteira da Suécia com a Dinamarca, onde tivemos que pagar um pedágio (acham que é só no Brasil que tem?) para atravessar a ponte que liga os dois países. Ao andar na Dinamarca eu me impressionei: já achava as estradas da Suécia um espetáculo, mas as da Dinamarca conseguem ser ainda melhores. Não conseguia parar de pensar durante a viagem na estrada que liga Faxinal a Santa Maria, a diferença chega a ser de chorar...

Paramos na Dinamarca para comer e os preços conseguem ser mais caros que na Suécia! Além de ser caro, a moeda de lá é mais forte que a coroa sueca, então o almoço foi uma facada. Mas tudo bem, continuamos a viagem e fomos até a cidade de Rødby, onde temos que esperar para pegar um navio para atravessar o oceano e chegar em Fehmarn, na Alemanha. A viagem de navio dura uns 45 minutos. Depois de desembarcar continuamos a viagem até Hamburgo.

Mas antes de chegar lá quero falar das autobahns. Para quem não sabe, autobahn é uma rodovia na Alemanha onde não há limite de velocidade, ou se há ninguém respeita. Asfalto perfeito, 4 ou 5 pistas, e pé no fundo. Estávamos andando a 200 km/h e não conseguíamos alcançar o pessoal que estava na nossa frente. Também, a maioria dos carros lá é Porsche, BMW, Mercedes, e por aí vai. Tá louco!

Chegamos aí pelas 17h em Hamburgo. Perdemos uma hora dando voltas na cidade para achar o nosso hotel, mas no fim deu tudo certo. Saímos para comer e depois disso o Niklas foi para o hotel e eu e o Andrigo fomos para o show do Roger Waters, que já comentei em um post anterior. Depois do show fomos dormir, porque estávamos cansados da viagem.

No outro dia (sexta, 20 de abril) fomos nos encontrar com o Markus, um alemão amigo do Niklas que morou em Ronneby um pouco antes de eu me mudar pra lá. Ele não mora em Hamburgo, mas pegou um trem pra passar o dia com a gente. Depois de comer umas salsichas de café da manhã (afinal, estamos na Alemanha) saímos dar umas voltas. Lógico que fomos conhecer a rua mais conhecida da cidade, onde estão as melhores opções de entretenimento masculino. No almoço fomos num restaurante, eu almocei o típico prato alemão: salsicha e cerveja (afinal, estamos na Alemanha ou não estamos?). Depois passamos o resto do dia dando mais voltas na cidade e tirando fotos. No fim da tarde tivemos que deixar o Markus na estação de trem e fomos nos encontrar com a Andrea, que é uma sueca aqui de Ronneby que tá fazendo um intercâmbio na Alemanha. Ela foi para Hamburgo para a gente nos encontrar, pois ela foi pra Alemanha em fevereiro e desde aquela época nós não nos encontrávamos. E, claro, para a gente fazer festa junto.

Fizemos a tradicional pre-party no quarto do hotel e fomos para a rua famosa aquela, pois lá estão os melhores pubs e boates. Acabamos fazendo festa em três lugares diferentes e ficamos até umas 5h, quando cansamos e voltamos para o hotel. Foi bem legal, com exceção de que na Alemanha é permitido fumar dentro das boates, e eu já me desacostumei a isso (na Suécia é proibido). Mas tudo bem.

No outro dia (sábado) saímos do hotel para dar mais uma passeada pela cidade, e fazer umas compras. “Fazer umas compras” nesse contexto significa comprar o máximo de álcool possível para trazer de volta, já que na Alemanha o álcool é umas 5 vezes mais barato que na Suécia. Fomos no tal do mercado Wal-Mart e fizemos a festa. Fomos a sensação do mercado, não tinha uma criatura que não passasse pelos nossos carrinhos e não fizesse cara de espanto. Só para passar tudo pelo caixa levou mais de meia-hora, eu acho. Depois tivemos que embalar tudo direitinho para botar no carro. A operação inteira levou umas 3h e meia. Tivemos depois disso que deixar a Andrea na rodoviária pois ela tinha que voltar e fomos dormir. A idéia era sair de novo mas nós estávamos tão cansados que acabamos dormindo (tá louco, parecemos uns velhos). O problema é que teríamos que acordar cedo no outro dia pra dirigir, então resolvemos não arriscar.

No domingo acordamos e pegamos a estrada para voltar para Ronneby. O nosso carro parecia rebaixado por causa do álcool no porta-malas. Mas mesmo assim, dessa vez andamos a 220 km/h na autobahn (na foto tá 200 km/h, mas tenho um vídeo para provar). A estrada é tão boa que parecia que estávamos a 100 km/h. E nós achamos que estávamos abafando quando um Mitsubishi nos ultrapassou. :-) Na volta resolvemos dar uma passada rápida por Malmö para conhecer a cidade, tirar umas fotos e jantar.

Finalmente chegamos de volta a Ronneby, às 21h15 de domingo, depois de 1156 km de viagem. E na segunda desempacotamos a mercadoria.

The end.