2008-04-11

Me desenha isso


Saiu no Diário de Santa Maria:
Com o pingo bem-estacionado
Aposentado saiu de Boca do Monte a cavalo e, ao deixá-lo em uma vaga, fez questão de pagar o parquímetro

Dalton Zappe completou 56 anos ontem e decidiu vir ao Centro comemorar com a sua filha a data

Ontem era um dia especial para o aposentado Dalton Luiz Zappe. Estava completando 56 anos. Para celebrar, decidiu ir de Boca do Monte até o Centro para almoçar com a filha Larissa Zappe. Aprumou-se com esmero, preparou a melhor pilcha, encilhou o tordilho Ariel e se bandeou para a "cidade grande".

Num trote manso, chegou na Venânio Aires, quase em frente ao Theatro 13 de Maio, na Praça Saldanha Marinho. Ali, tratou de encontrar um lugar para deixar o seu cavalo. Não pensou duas vezes antes de amarrar o pingo em um poste e retirar um tíquete do parquímetro, que lhe garantiu uma hora de "estacionamento". O papel ficou preso na sela do animal.

- Quando fui estacionar o meu carro, vi que tinha um cavalo parado nos parquímetros. Fui até brincar com a fiscal perguntando se ele estava pagando, e estava mesmo - disse o representante comercial Denison Ramos da Silva, 37 anos.

O fato, para quem está acostumado a ver só carros estacionados, chamou a atenção de muitos que passaram pelo local no começo da tarde de ontem. Só não foi nenhuma surpresa para o próprio Dalton, que costuma ir a cavalo para a cidade para economizar na gasolina.

- Muitos buzinavam querendo a minha vaga, mas eu estava pagando, mostrei o comprovante e tudo - afirmou Dalton, tranqüilo e sereno.

Na lei - De acordo com o diretor geral da Secretaria de Trânsito, Silvio Souza, não há nada que proíba deixar o animal em área de estacionamento. Segundo ele, a atitude de pagar o parquímetro foi correta, já que o cavalo estava ocupando a vaga de um carro.