2008-06-19

Tolerância zero

Li na Zero Hora de hoje que provavelmente será sancionada a lei que considera alcoolizado o motorista que contiver qualquer quantidade de álcool no sangue.

São coisas como essa que me dão raiva do Brasil.

Estão absolutamente corretos em querer acabar com o morticínio que acontece diariamente nas estradas, sem dúvida nenhuma. Mas esquecem que nós temos uma lei que é perfeitamente eficaz contra isso, afinal o limite é 0,6g de álcool por litro — equivalente a dois copos de cerveja. O pessoal que dirige bêbado bebe muito, mas muito mais do que isso. Por que permitem isso? E quando são pegos, porque são liberados? Se quisessem realmente acabar com isso, era só colocar umas blitzes nas saídas de festas e boates e os problemas estariam resolvidos.

Acontece que culturalmente é perfeitamente aceitável dirigir embriagado no Brasil. Contem o número de carros que entram no Absinto em Santa Maria, por exemplo, e pensem quantos daqueles motoristas irão se abster de álcool durante à noite. Por que ninguém se escandaliza com isso? Por que ninguém faz nada?

Aqui na Suécia ninguém, mas ninguém mesmo, que pretende beber vai para uma festa de carro. O limite na Suécia é ligeiramente menor que no Brasil (0,4g/l) mas quando uma pessoa está dirigindo ela não toma uma única gota de álcool, mesmo que esteja num restaurante ou algo assim e a lei permita que a pessoa beba o equivalente a um copo e meio de cerveja. Se tu admitir que já bebeu e dirigiu algumas pessoas ficarão tão indignadas que serão capazes de cortar o contato contigo. Se alguém vê que tu bebeu e saiu dirigindo é bem provável que irão chamar a polícia. Se te pegarem é bem capaz de tu ser preso e perder a carteira para o resto da vida. Já ouvi casos de pessoas que deixam de dirigir num determinado dia porque beberam um pouco no dia anterior! (O que já acho um exagero, mas enfim.)

O problema no Brasil não é legislação. O problema no Brasil é que não há punição. Quem dirige embriagado hoje já está infringindo a lei atual, e vai continuar infringindo a lei nova. Não vai mudar absolutamente nada.

E nós, o povo, também somos culpados. Somos nós que dirigimos embriagados e somos nós que achamos perfeitamente aceitável que um cara que passou a noite bebendo numa festa volte dirigindo pra casa. Eu pessoalmente já fiz isso, e mais de uma vez. Agora que estou numa cultura que pensa e age diferente vejo o quão estúpida, retrógrada e imbecil é a mentalidade brasileira (na qual me incluo).

Mas não adianta. Como sempre, tudo vai continuar como está.