2008-11-03

Etiqueta sueca

Vou reproduzir aqui o conteúdo de um blog que achei muito interessante. Mostra o quanto alguns suecos podem ser reservados:
No jornal que assinamos existe um espaço dedicado a regras de etiqueta. De quando em vez sempre dou uma olhada para rir com as perguntas e respectivas respostas.

Hoje, na página principal do jornal na internet, vi uma pergunta que me chamou atenção: Como escapar de ser abraçado por um parente? Fui imediatamente ler a pergunta completa e ver qual a solução para esta estranha questão.

Slippa kram och klapp?

A pergunta: O que podemos fazer para escapar de um abraço de pessoas que não queremos ter contato corporal quando nos encontramos? (Os suecos costumam dar um leve abraço e tapinhas nas costas quando encontram amigos e parentes.) No mais próximo círculo familiar, existem algumas pessoas que são “peguentas/grudentas”, especialmente uma mulher que infelizmente não têm como escapar em festas de família. Se eu consigo evitar um abraço, ela “dá uma batidinha/passa a mão” nas minhas costas quando fala comigo. Existe alguma forma que não seja desagradável para dizer a ela que ela não me toque de jeito nenhum, ou o jeito é suportar ?

A resposta: Você tem minha simpatia - É desesperadamente desagradável ser tocado por pessoas que não queremos ter contatos mais próximos. Você pode começar estendendo a mão se esticando um pouco e dizer “Eu prefiro cumprimentar desta forma”, e ver se ajuda. Se não, você diz a ela quando a mesma se aproximar “Atualmente estou com problemas com contatos muito próximos, podemos então apenas apertar as mãos”. Ela pode acreditar no que quiser sobre teus problemas, que com certeza ela vai interpretar desta forma, que você não quer ser tocada por ela. Hoje em dia tornou-se comum, que todos se abracem ou toquem uns aos outros, com o objetivo de mostrar cordialidade e amizade. Mas temos o direito [de preservar] nossa intimidade/integridade evitando o contato com pessoas que não queremos aproximação.

Ta aí uma característica bem sueca: ser franco, sincero.

Às vezes até demais...