2009-07-26

Retrospectiva, parte IV — O fim de uma saga

Continuando a terceira parte da retrospectiva, um mês depois de pedir o visto dinamarquês recebi uma carta do Udlændingeservice com a decisão: (que rufem os tambores...) sim, eu ganhei o visto com a permissão de morar e trabalhar na Dinamarca! Ufa!

Ainda tinham algumas coisinhas a serem resolvidas: voltar no Udlændingeservice para colocar o visto no passaporte, ir no Skat (a Receita Federal deles) pra receber o tal do número CPR (o equivalente ao nosso CPF) e determinar o quanto eu vou pagar de imposto — no meu caso, 40%. Nada de muito complicado.

Comecei a trabalhar no dia primeiro de julho. A empresa onde fui contratado faz software primariamente para empresas de telefonia celular, ele recebe notificações periódicas sobre o uso da rede (ligações de voz, SMS, transferências de dados, etc.) e é responsável por identificar o usuário, liberar ou não a operação, calcular o custo da mesma de acordo com o plano específico do usuário, e diminuir o saldo no caso de planos pré-pagos ou colocar o item na próxima fatura. Além disso ela faz também o software utilizado pela equipe de suporte (call center) e também o site de auto-atendimento que a operadora pode disponibilizar para que os usuários possam consultar sua fatura ou créditos, habilitar/desabilitar serviços, ou até mesmo tornar-se assinantes.

Como vocês sabem, estou morando em Malmö na Suécia. A empresa fica em Ballerup, na Dinamarca. Então eu vou e volto todos os dias de trem: pego o trem que sai da Suécia às 7h02, desço na estação central em Copenhague, pego outro trem que vai pra Ballerup, e em Ballerup pego um ônibus. Chego no trabalho por volta de 8h20. Rápido, não? :P

E por que eu não vou morar na Dinamarca? Bom, por vários motivos: eu tenho visto permanente na Suécia, e na Dinamarca meu visto está atrelado ao emprego — se eu perder o emprego tenho 6 meses para achar outro ou deixar o país; na Suécia o custo de vida é muito menor que na Dinamarca, principalmente agora que a coroa sueca está valendo por volta de 40% menos que a dinamarquesa; meus amigos estão todos na Suécia; e estou a 40 minutos de trem de Copenhague, posso ir pra lá sempre que tiver vontade.

O lado ruim, claro, é que preciso acordar às 6h da manhã e só chego de volta em casa aí por 19h. Como tenho que acordar cedo, tenho que dormir aí pelas 22h então meu tempo livre durante a semana é bem curto. Isso explica um pouco porque demorei tanto pra postar esta última parte. :-)

Por falar em casa, lembrem que estava morando na sala do meu amigo Andrigo e tinha que arranjar um lugar pra morar, principalmente agora que arranjei um emprego. É muito difícil achar algo pra alugar por aqui, geralmente são anos de espera, e os aluguéis são extremamente caros. Por este motivo eu decidi por comprar um apartamento.

Comecei a pesquisa quando comecei a trabalhar. Olhei por volta de uns 30 apartamentos, eu acho, até que encontrei um que gostei. E comprei! Agora no dia 28 de agosto fiz a mudança (modo de dizer, afinal não tenho mobília) e já estou morando nele.

Ou seja, agora tenho um emprego e um apartamento só meu. E um grande empréstimo para pagar...

Mais detalhes sobre o apartamento no próximo post.