2011-04-07

Na Escandinávia também tem ladrão

(Nossa, faz tanto tempo assim que não posto nada? Desculpem-me pelo blog às moscas.)

Ultimamente tenho usado o ônibus para ir à estação de trem. Em dezembro foi inaugurado o Citytunneln, um túnel que foi escavado por baixo da cidade (como se fosse um metrô), para evitar que o Öresundståg (o trem que conecta a Suécia com a Dinamarca) tivesse que fazer uma volta em torno da cidade como acontecia antes. Junto com o Citytunneln foram inauguradas duas novas estações, uma delas chamada Triangeln que está no meio da cidade e onde o trem para depois de sair da estação central de Malmö. O bom é que a linha de ônibus que passa bem na frente de casa pára lá, então como o inverno estava bem rigoroso e eu queria experimentar, passei a pegar o ônibus para ir trabalhar.

Acabei continuando com o hábito, pois minha bicicleta estava dando problema na troca de algumas marchas e eu queria levar arrumar, e eu não sentia confiança em deixar ela o dia inteiro lá no Triangeln sem antes comprar uma tranca mais reforçada do que a que eu tenho.

Pois bem, algumas semanas atrás levei a bicicleta para arrumar (custou 600 coroas suecas, ou por volta de 150 reais) e só faltava comprar uma tranca nova, o que eu pretendia fazer neste fim de semana.

Hoje, logo após de descer do ônibus, lembrei que tinha que comprar pão então fui direto para o estacionamento na frente do prédio pra pegar a minha bicicleta. E não é que ela não estava lá? Usei ela pela última vez na segunda-feira, também para ir no mercado, e entre segunda e hoje (quinta-feira) algum maldito filho da puta desgraçado a roubou! Logo agora que eu mandei arrumar, ainda por cima!

O pior é que não é a primeira vez que acontece isso comigo: ano passado eu ganhei uma bicicleta de um colega de trabalho que se mudou para a França, e eu usava ela na Dinamarca para ir da estação de onde desço até o trabalho (o que de bicicleta dá 5 minutos). Era uma bicicleta bem porcaria, afinal ganhei de graça, mas só para fazer esse pequeno trajeto era o suficiente. Como ela ficava todas as noites no estacionamento de bicicletas da estação, não chegou a fazer 3 meses e ela foi roubada. E o que é pior, exatamente no dia que eu tinha planejado ir depois do serviço comprar uma tranca melhor, de manhã ela sumiu.

No caso da bicicleta que eu ganhei eu não dei muita bola, afinal eu não paguei nada por ela. Mas a que eu tinha aqui na Suécia era uma bicicleta das boas que custou quase R$ 2.000!

Moral da história: compre a tranca antes da bicicleta (tem gente que precisa levar na cabeça duas vezes para aprender). E não pense que aqui também não tem ladrão.

Filho da puta!!!