2011-04-13

Saúde de primeiro mundo?

Duas notícias no jornal de hoje mostram que não é porque a Suécia é primeiro mundo que não acontecem barbaridades.


A primeira notícia
era de um caso onde uma mulher for ao médico porque estava com dores no estômago. O médico ouviu o coração, depois apalpou os seios e examinou-a na vagina e no reto. Na saída, o médico beijou-a na boca e tentou dar mais um beijo de língua. A mulher processou o médico mas o tribunal decidiu por inocentá-lo, mesmo havendo uma outra pessoa que testemunhou o beijo. A razão? "O testemunho era muito vago e faltavam detalhes". É difícil opinar sem saber detalhes do caso, mas para um país tão orgulhoso da igualdade de gêneros, da proteção à mulher e tudo o mais, acho a decisão no mínimo estranha.

A outra notícia era de um homem de 23 anos que ligou para a emergência e falou que estava com problemas para respirar. A enfermeira que o atendeu julgou que o caso não era uma emergência, e não mandou uma ambulância. Pouco tempo depois ele ligou novamente, dizendo que tinha desmaiado ao tentar levantar-se, mas novamente nenhuma ambulância foi despachada. Ela mandou o caso para um médico, que mais tarde ligou para a residência múltiplas vezes mas ninguém atendeu. Algumas horas depois, o vizinho encontrou o corpo do homem, morto em casa; a causa da morte foi ruptura do baço. O pai da vítima disse que o filho conversou com a atendente por 12 minutos e repetidas vezes pediu por uma ambulância, mas ninguém foi enviado à residência para checar sua condição.

[Adicionado em 02/06/2011] P.S.: Mais um caso de alguém que morreu porque a ambulância não veio.